quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Oi filho!!

Filho, não queria que isso parecesse um desabafo. E muito menos que você futuramente lendo isso (será?) possa achar que a mamãe foi infeliz ou triste alguma vez depois que você nasceu. Não. Mas é que esses dias eu estou um pouco desanimada, é normal sabe, todos falam. Mas não é com a vida, não é com nosso lar, não é com você. Eu só sinto uma sensação estranha toda vez que chega segunda-feira e eu tenho que voltar ao trabalho longe de você! Mas eu sei que não seria fácil. Ninguém nunca disse isso.

É uma necessidade. Sabe o que é isso filho? É quando uma pessoa faz uma coisa que o seu coração não quer, mas que o momento diz que precisa. Esta palavra define o que a mamãe faz aqui no trabalho tão longe, de nossa casa, de suas descobertas, de sua alimentação que, pra você, é tão nova, de suas risadas, de seus banhos gostosos... Todos os dias quando chego após o expediente e a Jaque, sua babá, me passa as novidades do dia sinto um aperto no coração. Fico pensando o quanto injusto é uma mãe ter que trabalhar fora. É sempre sentir a sensação de que você não está sendo 100% mãe.

Talvez mamãe esteja com raiva dessa “necessidade” e com muita saudade de você neste momento e alguma coisa que escrevi aqui não seja assim tão dramática. Mas é o que sinto hoje. Amanhã, muito provavelmente, eu já tenha até me esquecido. Mulher tem disso sabe filho, somos às vezes insatisfeitas, pode ser que se eu fosse mãe integral esse sentimento de nunca chegar nos 100% ainda me perseguisse. Tá vendo como é complicado? Um dia eu – tento – te explicar.

Só quero que saiba que isso é amor, meu filho. É o maior sentimento que a mamãe já sentiu na vida. Por isso de tanto. Por isso meus olhos brilham todos os dias ao te ver. E por isso que eu conto as horas pra chegar em casa.

Hoje tô escrevendo aqui o que eu sussurro todos os dias ao seu ouvido na hora de dormir: “Você é tudo que eu sempre sonhei, Eu-Te-Amo!”



p.s.: Mamãe não odeia o trabalho dela por isso.
p.p.s: Escrevi isso segunda. Hoje é quarta e não tô mais tão desanimada assim. rsrs!
p.p.p.s: Esse negócio de p.s. vicia. RS. Abaixo, fotos do presente-herança da vovó!







8 comentários:

Fabiana disse...

Oi Tati.
Nós mamães qeu trabalhamos fora te entedemos perfeitamente.

Tb conto os minutos para ir embora e pegar minha pequena.

Por isso, nos fins de semana, fico grudadinha nela pra não perder nenhum minuto.

E assim vamos levando.

Força!

Bjokas.

Leila, Mãe de Malu! disse...

Oi Tati,

Acabei de chegar da aula, rs.
Olha, deve ser realmente muito difícil deixar o bebê em casa e ter que ir trabalhar. Mas sempre que essa sensação bater, pense no lado positivo da coisa...
Pense nas coisas que o seu trabalho poderá proporcionar ao seu bebê, na boa educação (escola) que vc poderá dar, no conforto, enfim, pense que é um sacrifício que tem uma boa recompensa.
E você é uma mãe tão amável, tão apaixonada que mesmo ficando muito tempo longe dele, eu tenho certeza que ele sente seu calor durante todo o dia.

Beijos amiga.
Beijos em Iury, cada dia mais lindo!

Vanessa Dias disse...

Ai amiga, lendo esse texto fico vendo o quanto deve ser dificil para vc. Eu n passei por isso, fiquei com o Pedro até ele completar 1 ano e hj ele fica com a minha mãe. Mas como trabalho por conta própria, consigo faltar e passar o dia com meu xuxu as vezes.
Mas entendo como deve ser complicado, saber q estamos perdendo os minutos tão interessantes de desenvolvimento deles é muito dificil, ainda mais nessas primeira fase q tudo é tão rápido, cada mês tem várias novidades do desenvolvimento.

Mas é preciso né? Vc é uma mãe zelosa e cuidadosa e pensa tb no futuro dele, e tenho certeza q ele irá entender tudo isso quando crescer. Vc só tem q aguentar esse coração apertado q fica quando temos que cruzar a porta de manhã.

Bjsss

Dany morais disse...

oi flor! obrigada por sua presenca viu?
bjo grande

Martha disse...

Oi Tati...
Vim retribuir a visita e dizer que vc é muito bem vinda a outras visitas.. rsrs
Nossa.. seu Filho é muito gostoso.. jesus!! da vontande de dar uns agarros.. rsrsrs
Olha.. pasei e passo por esses desanimos pelo menos uma vez por semana desde que voltei a trabalhar.. mas fico contando os minutos para sair ou me enxendo de trabalho para ñ dar tempo de pensar...
Mas já me disseram que essa saudade ñ passa... diminui.. mas ñ passa... E como precisamos disso.. vamos levando neh?!
Bjs!
Ah.. vou te linkar ok!..

Nádia Figueiredo disse...

Oi Tati!
Obrigada pela visita no blog.
Seu menino é lindo, um fofo!
Qto tempo vc deu só peito?
Bjos

Tata e Melinda disse...

Oiiii amore, olha, eu imagino o quanto deve ser dificil.
Só de pensar em deixar ela pra trabalhar daqui uns meses já me dá vontade de chorar.
Mas olha, como uma menina aí em cima disse, pensa nas coisas boas que você vai poder dar pra ele.
Tenho certeza que quando ele crescer vai ter muito orgulho da mamãe super mulher aí...hehe

Beijos

Manu Paz disse...

Oi Querida... Olha eu aqui! Obrigada pela bela visitinha... Já estou te seguindo tá?

Então... Estou sentindo na pelo o que é isso... Ter que deixar nosso bebê e ir a luta... Mas creio q isso vai passar...
Estarei sempre por aqui agora... Seu filho é lindo!

Parabéns...